Autêntico e vigoroso, Molho Negro é rock amazônico

Autêntico e vigoroso, Molho Negro é rock amazônico

30 Oct 2015

Direto das garagens da Amazônia, Molho Negro é a materialização do que se precisa para ser uma banda independente de sucesso no Brasil. Embora seja de Belém (PA), bem longe da cena musicais dos grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro, Molho Negro vem cavando seu lugar com um garage rock potente, fazendo-se presente no circuito de festivais e com dois álbuns gravados em apenas três anos de existência.

A última turnê os trouxe para São Paulo, onde tiveram a oportunidade de voltar a gravar em estúdio no Converse Rubber Tracks. Durante a sessão, a banda falou um pouco sobre sua história, seus planos e da origem inusitada do seu nome.

Fale um pouco mais sobre o Molho Negro. Há quanto tempo vocês tocam juntos?

João Lemos (guitarra/voz): Molho Negro começou em 2012. Na verdade nós gravamos nosso primeiro EP durante o Natal de 2011 e o lançamos em janeiro do ano seguinte. Nosso primeiro álbum foi lançado no fim daquele ano e foi a compilação dos nossos primeiros dois EPs. O primeiro foi gravado em Goiânia (GO) e o segundo em Natal (RN).

Por que Goiânia?

João: No começo, Raony (baixo) não tocava com a gente ainda. Augusto (bateria) e eu decidimos ir ao Rock Lab Studio do Gustavo Vasquez, que a gente acha muito bom. Um monte de bandas que conhecemos gravaram lá e nós gostamos dos resultados. Por isso fizemos lá e foi um grande aprendizado para todos nós.

O primeiro álbum foi lançado em outubro de 2012. Desde então começamos a tocar em muitos lugares e em festivais como o DoSol em Natal (RN), Festival Quebramar em Macapá (AP), PMW Festival em Palmas (TO), Se Rasgum em Belém (PA), Até o Tucupi em Manaus (AM) e algumas vezes em São Paulo também.

Em maio de 2014, lançamos o segundo disco chamado “Lobo”. Até agora nossa turnê é basicamente para tocá-lo. Enquanto isso, já começamos a trabalhar na pré-produção do próximo projeto, que vamos gravar ano que vem. O bacana é que conseguimos fazer uma versão em vinil transparente do “Lobo”, o que era algo surreal para a gente até então.

O que é Molho Negro?

João: Cara, é a melhor e pior pergunta que você poderia fazer porque não foi nem ideia dos integrantes! Um amigo nosso de Belém deu a ideia quando dissemos que iríamos montar uma banda. Não somos bom para essas escolhas: nome de banda, nome de cachorro…

Depois disso, começamos a inventar um monte de histórias, mas não tem uma explicação de verdade. Achamos interessante que não tem nada a ver com música. Talvez no futuro as pessoas associem essa expressão com a gente, tipo “O que é Molho Negro? Ah…é uma banda.” No início a gente só encontrava receitas no Youtube, agora você encontra nossos vídeos ao invés de receita de frango teriyaki.

O que vieram fazer em São Paulo?

João: Viemos fazer uma turnê. Viemos para tocar na Casa do Mancha, gravar no Converse Rubber Tracks e fazer alguns outros shows. Acabamos de voltar do Nordeste, onde tocamos em Fortaleza (CE), Natal (RN) e Recife (PE). Somos basicamente uma banda na estrada.

Vocês são 100% dedicados à banda?

João: Sim, é nosso trabalho.

Vocês sempre trabalharam com música?

João: Eu toco em bandas desde os 15 anos. Quando o Molho Negro começou eu tinha uns 24 anos. É o meu primeiro projeto sério, mas sempre fui envolvido com bandas, seja como roadie, diretor de palco, desde sempre. Estou há praticamente uma década nesse mercado.

Augusto Oliveira: Eu tocava covers na noite lá em Belém, comecei a tocar com 22 anos.

João: Hoje ele tem 40 anos! (risos)

Raony Pinheiro: Eu comecei a tocar violão por volta dos 15 tocando música erudita e acabei começando a tocar covers em bares também.

João: Acho que eu sou o único que nunca tocou em uma banda cover. Eu não consigo tocar música dos outros de jeito nenhum!

Raony: Depois de música erudita e covers, eu me juntei ao Molho Negro. João e eu somos amigos de infância. Um dia ele disse que precisava de alguém pra tocar baixo e aqui estou.

Como tem sido sua experiência no Converse Rubber Tracks até agora?

João: Tem sido incrível! Chegamos com uma ideia de gravar um vídeo durante a sessão. O Jean Dolabella (engenheiro do estúdio) não comprou a ideia e nos perguntou: “vocês vão usar o tempo de vocês aqui para focar na gravação de um vídeo? Pô, galera!”. Refletimos e vimos que ele estava certo. Decidimos usar a sessão para gravar uma versão mais lenta de uma faixa do nosso atual CD, que começamos a trabalhar em casa e tem sido ótimo. A equipe do estúdio tem nos tratado super bem também.

Raony: Outra coisa legal é a gente está há um bom tempo fora de estúdio, só tocando e viajando. E de repente tem essa coisa de “Vamos pro estúdio! Bora gravar!” para depois voltar para casa com uma experiência em um grande estúdio. O que a gente já ouviu antes da mixagem já está incrível.

Quais os planos para essa faixa?

João: A gente brinca que essa versão que é mais lenta e viajada. Queremos lançar como um single especial com um vídeo. Outubro passado a gente gravou um DVD de um show em Belém. Público fantástico, estamos muito felizes com isso. Vamos lançar só no próximo ano e esse single vem para preencher esse gap. Ainda estamos planejando como o vídeo vai ser, mas já temos umas boas ideias.

Se o Converse Rubber Tracks existisse há 10 anos atrás, você acha que poderia ter mudado a história de vocês?

João: Com certeza. Talvez 10 anos atrás teria sido mais difícil já que sabíamos bem menos do que sabemos hoje, mas teria sido bastante útil. O fato de você se inscrever e ser selecionado para um estúdio com essa estrutura é único. Não conheço ninguém que apoia projetos como esse.

Galeria:

Lumen Craft leva pro estúdio seu som eletrônico artesanal

Lumen Craft leva pro estúdio seu som eletrônico artesanal

Música feita em computador com um toque humano. Composto por Noah Guper (guitarra/clipper/sintetizador), John Evans (vocal/sintetizador) e Ceah Pagotto (sintetizador), o coletivo eletrônico paulistano Lumen Craft encontrou um lugar comum entre a criatividade artesanal e a precisão tecnológica. “O eletrônico …


Saiba Mais