Medulla passa pelo Rubber Tracks a caminho do seu álbum completo

Medulla passa pelo Rubber Tracks a caminho do seu álbum completo

15 Feb 2016

A banda do Rio Medulla preferiu criar seu próprio nicho musical do que ter a segurança de uma grande gravadora. Após uma década lançando de tudo menos um álbum tradicional, eles estão de volta às gravações no estúdio Converse Rubber Tracks Brasil trabalhando em um novo álbum. Conversamos com eles durante a sessão para saber mais sobre a decisão de abandonar o trabalho com uma gravadora e os motivos para lançar seu som em formatos diferentes.

Onde começou a história do Medulla?

Raoni – Tudo começou comigo e meu irmão gêmeo quando éramos adolescentes. Já faziamos um som na noite e recebemos uma proposta de contrato com uma gravadora. Creio que a gente tinha uns 14 anos.

Vocês já tocavam com o nome Medulla?

Raoni – Não, éramos só uma dupla. Medulla surgiu exatamente por isso: porque não queríamos mais ser conhecidos como uma dupla. Naquele tempo a gente só queria curtir com os amigos. Não tinhamos tantos na escola e saíamos mais com uma galera mais velha que tocava. Nosso vizinho tocava bateria e nos levou junto. Começamos a usar o nome Medulla nos shows do primeiro álbum.

Quando foi lançado?

Keops – Foi em 2005.

Raoni – Recentemente comemoramos 10 anos. FIcamos um bom tempo em turnê promovendo esse álbum.

Keops – A gente inclusive ganhou alguns prêmios como Banda Revelação do Festival Abril Pro Rock de 2005. Depois que voltamos do festival, decidimos mudar as coisas. Tínhamos 18 anos, muita coisa estava mudando no mercado musical também. A internet crescendo, Myspace ficando mais forte também. A gente segurou um pouco a onda, saímos da casa dos nossos pais e começamos a pensar em como cuidar da banda. Naquele momento tudo era gerido e pensado pela gravadora. Era promovido naquele formato clássico de gravadora.

Tínhamos 18 anos, rebeldes querendo chutar tudo e foi o que fizemos: desistimos de três anos de contrato que a tínhamos para tomar um caminho diferente.

Criamos um projeto de 4 EPs que chamamos de “compactos”. Nossa ideia era criar algo que tivesse nossa própria mensagem. A ideia principal era lançar cada um em um formato diferente. Naquela época o Myspace estava bombando então lançamos o primeiro lá.

O segundo foi lançado em fita K-7 e o terceiro foi um Playbutton. Fomos os únicos brasileiros a lançar nesse formato naquela época. Ironicamente, o último foi lançado em CD. Produzir e lançá-los foi bom para conhecer a galera da cena do rock underground, o esquema do Faça Você Mesmo, etc. Mais do que fazer música a gente estava afim de fazer arte mesmo.

Recentemente fizemos um acordo com o selo HBB que tem uma ideia parecida com a nossa: lançar produtos interessantes para colecionadores. Fizemos uma compilação dos quatro compactos com eles no ano passado.

Hoje vocês vieram gravar as baterias pro próximo CD. Quais são os planos? Vão lançar do jeito tradicional?

Keops – Sim, isso mesmo. Trouxemos várias coisas novas para gravar. Esse é o esquema, depois de 10 anos testando novas formas, agora é hora de lançar um álbum completo. Estamos bem animados em aproveitar tudo o que aprendemos nos últimos anos.

Raoni – A parte engraçada é que todos esses formatos viraram comuns aqui na cena brasileira.

Tutti – Talvez agora o esquema seja lançar só em CD, sem streaming, totalmente offline. [risos]

Como foi a sessão de hoje para vocês?

Tutti – É muito louco. Assim que você pisa aqui, sua criatividade vai lá em cima.

Raoni – Estávamos bem ansiosos para estar aqui trabalhando no nosso próximo disco. Depois de fazer muita pesquisa dentro do hip hop, rock, achando novos beats… É muito bom estar aqui gravando e vendo nosso projeto virar “oficial”.

Alex – Além do que viemos gravar as baterias, que é uma das especialidades daqui do estúdio. Foi muito bom poder explorar isso.

Vocês conseguiram fazer o que se propuseram?

Keops – Sim, conseguimos. Gravamos 10 faixas de bateria. Achamos que uma boa linha de bateria representa mais de 50% de um disco. No fim tudo saiu incrível.

Inscreva-se para uma sessão no Converse Rubber Tracks Brasil.

Galeria: