Kalouv põe seu post-rock pra fora do Nordeste

Kalouv põe seu post-rock pra fora do Nordeste

28 Mar 2016

Depois de representar o Brasil no cenário global do rock instrumental com dois álbuns produzidos numa promissora carreira, os roqueiros recifenses da Kalouv vieram a São Paulo para uma sessão no Converse Rubber Tracks. Conversamos com eles depois da gravação para conhecer um pouco mais sobre o seu som e como é a cena de sua cidade natal.

 

Por favor, apresentem a Kalouv.

Túlio Alburquerque (guitarra) – As pessoas costumam dizer que somos uma banda instrumental de post-rock. Tem muitas bandas de post-rock pelo mundo fazendo um som como o nosso. No Brasil há algumas bandas desse estilo que, assim como nós, trabalha com o selo Sinewave. Trabalhamos com eles mesmo estando em Recife.

O que vieram fazer em São Paulo?

TA – Nossa sessão hoje no Converse Rubber Tracks faz parte da nossa turnê Peixe Voador, que dá nome a uma das faixas que gravamos hoje. A banda tem 6 anos, mas essa é a primeira vez que tocamos fora do Nordeste.

Há uma cena de rock instrumental consolidada lá em Recife?

TA – Na verdade a cena de rock instrumental é forte mesmo em Natal (RN). Tem muitas bandas fazendo som lá.

Bruno Saraiva (teclados) – Sim, antes em Recife era maior. Antes tinha muito mais bandas, caiu um pouco, mas hoje em dia eu tenho visto muitas bandas surgindo na cena local novamente.

TA – Existe um contato forte entre as bandas instrumentais principalmente nas capitais do Nordeste como João Pessoa (PB), Maceió (AL) e as outras que citamos antes.

O que vieram gravar hoje no estúdio?

TA – Trouxemos duas músicas. Uma delas chama “Peixe Voador” que dá nome à turnê. Na verdade é uma faixa bem nova.

BS – Sim, estamos bem no meio do processo de composição do próximo disco. Temos trabalhado em algumas faixas. Separamos duas para gravar aqui e lançar primeiro como um compacto. Na verdade, já tocamos elas ao vivo. Testando, vendo o que funciona e o que não.

TA – Já sentimos uma resposta bem legal do público para “Peixe Voador”.

Como foi a sessão hoje? A gravação foi muito diferente do que vocês estão acostumados?

TA – Sim. Da última vez gravamos cada instrumento separadamente. Dessa vez fizemos tudo ao vivo. Foi mais difícil porque não estamos tão acostumados, mas valeu muito a pena. Quando sentimos que estava rolando foi muito legal. Sem falar que foi muito bom gravar a bateria aqui especificamente, o som sai massa demais.

Galeria:

Lumen Craft leva pro estúdio seu som eletrônico artesanal

Lumen Craft leva pro estúdio seu som eletrônico artesanal

Música feita em computador com um toque humano. Composto por Noah Guper (guitarra/clipper/sintetizador), John Evans (vocal/sintetizador) e Ceah Pagotto (sintetizador), o coletivo eletrônico paulistano Lumen Craft encontrou um lugar comum entre a criatividade artesanal e a precisão tecnológica. “O eletrônico …


Saiba Mais